Mitos caídos

Em nosso encontro da segunda-feira, dia 11/08, fizemos um exercício baseado no pequeno conto “Sobre a velhice de Odisseu”, do livro “Para a próxima mágica vou precisar de Asas” de Alex Epstein. Nesse conto, Epstein faz uma paródia do grande herói em uma situação humana, contemporânea e decadente. 

epstein

Nosso exercício consistiu em escolher um mito e usar sua personagem em uma situação decadente e contemporânea. Seguem os resultados. 

DELTA DE VÊNUS

“Àquela hora ela já nem sentia mais as pernas. Não apenas pelo salto de acrílico remendado, muito mais pela pressão de tantos quadris em suas coxas. Puxou a saia para cobrir o desfiado da meia e o hematoma. Ouvia as sirenes na rua de traz, as gaivotas já acordadas. Tinha cheiro de mar. Jogou o cigarro que já queimava o filtro e pensou em ir para casa, quando avistou o homem na esquina da avenido, logo onde ela se divide e se parte em três pequenas ruas. Meio embriagado, meio barbeado. ‘Mais um, talvez, porque não!?’. O homem a olhou em dúvida, pensando se valia a pena.
– Faz sem camisinha?
– Faço. Mas é mais caro.”
(Adriana Rossatti)

“Enquanto olhava para suas pernas roliças e esburacadas, as dobras na cintura que pareciam brotar a cada manhã, os vestidos que não lhe cabiam jogados no armário, os anéis que já não entravam em nenhum dos seus dedos, Jocasta pensou que Édipo furou os próprios olhos à toa.”
(Luciana Gerbovic)

“Hipólita repousava inquieta e a respiração era entrecortada. Olhando à sua volta vislumbrou um circulo de Amazonas que olhavam para ela com preocupação. Várias portavam lanças e escudos. A velha senhora lhes perguntou: estamos em guerra?”
(Alcino Bastos)

ASAS

“Não fosse o mau tempo, ele talvez tentasse, foi o que pensei. Ou, quem sabe, se o prédio tivesse vinte andares; ou ainda, se na janela do outro lado da rua alguém, com um olhar curioso. o fizesse pensar, sabe-se lá, em alguma forma de desafio. Nada indicava movimento, o ar não se moveu. As asas de cera pesavam mais que a depressão.”
(Monica Carvalho)

ANTÍGONA PRENHA

“Quem é o pai, Antígona?
– Bem que eu queria saber. Na viagem que fiz para as exéquias de meu pai, acabei engravidando de um soldado, mas não consigo lembrar seu nome.”
(Eduardo Muylaert)

ENGANOS MORTAIS

“Essa, você deveria buscar, numa praia do Rio Grande do Norte, onde ela morreria afogada, só daqui a 5 anos.
Mas não é a Marcia?
Não, essa é a Maria, acho que você acabou trazendo a filha ao invés da mãe.
Xi, preciso urgente trocar de óculos e providenciar uma agenda para anotações; é muito trabalho, minha memória não dá mais conta , disse Hades.” 
(Elza Tamas)

“- Me ajude aqui?
– Ajudar o que, meu velho?
– A atravessar a rua.
– Ué, e essa bengala?
– Me apoia para andar, mas não me ajuda a enxergar.
– Tá bom vai, pega no meu braço.
– Obrigada, garoto, como você se chama?
– James, e você?
– Peter.”
(Eva Maria Lazar)

“Ele foi o último a chegar no cemitério. Estava cheirando a álcool e com seus grandes pés estorvando o seu andar. Ele se prostrou al lado de seu pai que logo lhe repreendeu: é um desaforo essa sua conduta no enterro de sua mãe, Édipo!”
(Dominique Girard) 

MORRO DA BABILÔNIA
“Fumou todas hoje Caim?
Não, só dois baseados
Se tivesse fumado mais te mataria.”
(Lidia Izecson)
 

NARCISO FORA D’ÁGUA

“É o farol ficar vermelho, o farol ficar vermelho, ficou. Saiu. O primeiro carro. Não rola. O segundo carro. Não rola. No terceiro também não. Precisa ser rápido, as mãos no chão, as mãos no chão, o vento escova o cabelo, pelo menos isso. O corpo pesa no skate. Alguém abre o vidro, ele pega os trocados e guarda no bolso. Faz o serviço de olhos fechados: não quer arriscar o espelho, nem o reflexo na lataria do carro.”
(Isabela Noronha)

“Para de comer isso! Tem caco de vidro.
E larga essa garrafa, você não está acostumada a beber.
Alguém me ajuda a tirar essa faca da mão dela?
Sai desse balcão, minha filha! Não adianta, ele morreu. Não vem mais. Tenta esquecer, Ju! (lieta)”
(Elidia Novaes)

“A cadeira de balanço range zangada com o esforço para levantar.
Um passo de cada vez e você chega na porta.
Calma! Devagar Hércules.”
(Regina Datti)

Advertisements