Vassoura-Nylon-Betannin-Foto-Acigol-Recife-81-34451782.

Noemi propôs a escrita de um texto com narrador em terceira pessoa, que observa uma mulher limpando um quintal. Em determinado momento do parágrafo passa-se para discurso indireto livre e volta para o narrador.

Auge do verão e ela usa botas de cano alto para lavar o quintal. Só é possível ver seus joelhos. Bem torneados. Macios. Talvez queira proteger as unhas recém-pintadas de vermelho como as das mãos. Segura a vassoura e o balde como se fossem as taças de cristal que os patrões usaram na noite anterior, essa gente que não se preocupa com as horas de sono dos empregados, até meia-noite lavando cristal e prata e às seis já em pé passando vassoura e pano úmido no porcelanato. Ela devia usar luvas para proteger as mãos tão torneadas e macias quanto os joelhos.
{Luciana Gerbovic}

*

Começa com um pano. Os beirais das janelas, a mesa, as prateleiras das orquídeas. Acha bonito quando vêm a florada e as abelhas, quando chegam as frutas; os sábias bicando as cascas. No ar fresco do fim da tarde, eles cantam. Antes do amanhecer. O dia inteiro. Mas as folhas se espalham por tudo. E ela varre. Varre em volta do tronco, perto dos vasos, em frente à porta.
O calor está forte, abafado. Se chover, ainda vai entupir a calha e a grade. Só falta inundar a cozinha de novo. E varre, e busca os cantos. Caramba, precisa soltar tanta folha? E esse sabiá? Adianta cantar bonito? Ele faz ninho na jabuticabeira. Daí  espalha terra por todo lado, escava os vasos, revira o gramado. E erra na construção, o infeliz. E tenta de novo. E emporcalha o chão. E o cachorro pisa. Só falta entrar água na cozinha de novo.
{Elidia Novaes}

*

O som da mangueira, primeiro fraca e logo com força total invadiu a área. A água espalhou, ela fechou logo, medo das broncas por desperdício dos fiscais de plantão nas janelas do prédio. A esfregação no chão de pedra mineira foi desenhando um ritmo, o atrito do rodo era a bateria marcando o tempo. A mulher dançava sem perceber, divertido isso. E continuou, embalada por um sorriso, como uma baiana na ala da escola de samba.
{Eva Lazar}

*
O QUINTAL
Faz 15 dias que não lava. Tem que ser hoje! Ela sabe disso. Calça a galocha, pega o esguicho, encaixa na torneira, estica, estica mais, olha a cobra verde serpenteando, aperta o botão, e a água desliza no piso de lajota cobrindo tudo com uma espuma véu de noiva. Dá pra ver a alegria nos seus músculos indo de lá pra cá. Esfrega, puxa com o rodo, pega o pano, enxuga. Só faltava essa, maldito gato! A mão nos cabelos, o suor na testa, outra vez o sabão em pó, a vassoura, o rodo, o pano.
{Lidia Izecson}

*

A vassoura semi-descabelada passeia sem entusiasmo pelo quintal exíguo. O avental puído da mulher revela um certo desmazelo, falta de coragem até para varrer a poeira acumulada. A culpa é do governo, não se pode mais usar a mangueira. Tempos bicudos, falta tudo, até água, quem diria. Promessas é que não faltam, vamos dar um jeito, as represas vão encher. Vão nada, se pelo menos a caixa d’água enchesse. A pazinha enferrujada recolhe as partículas maiores que vão parar num balde também oxidado. Quintal limpo, pelo jeito, só com a chuvarada da próxima estação.
{Eduardo Muylaert}

*

Se enroscava com a vassoura como se dançasse com um homem magro. Ô moço bonito! Percorriam os espaços do pátio em piruetas vagarosas. Mesmo que alguém estivesse bem perto não escutaria a musica bonita. Uma valsa, isto é que é. Depois veio o silêncio e ela olhou as roseiras; e viu flores murchas que precisavam ser podadas.
{Alcino Bastos}

*

A pedra dizia não a hora da explosão, não da chuva ácida que cairia depois dela; não falava dos testes realizados para que ela acontecesse, do muito que se ganharia com ela; não contava do que seria escrito depois, dos acordos, dos tratados, dos filmes, dos poemas. O que a pedra dizia era que, sobre ela, houve alguém – de quem restou apelas uma sombra impressa – que talvez olhasse o céu no instante da queda.
{Carla Kinzo}

 

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

w

Connecting to %s