No dia 3 de novembro nos encontramos novamente. Depois de uma maravilhosa discussão sobre os contos de Lydia Davis, Noemi nos propôs mais um exercício para realizarmos em aula. O desafio era oferecer um sentimento ao colega sentado ao lado, e cada um deveria escrever um parágrafo falando daquele sentimento usando como linguagem algum recurso científico de qualquer campo acadêmico.
3adac2e660770430a0cb571568943fcc

ANSIEDADE
Por Adriana Rossatti

“Foi a Dra. Sun Xi Zyang, academica da Universidade de Beijim, exilada em manila após censura ao seu artigo “Novas perspectivas da relação de tempo nos espaços urbanos do pós-11 de Setembro” – que inclusive foi publicado com estardalhaço na American Dysfunctional Review em julho (e eu adquiri pela Amazon junto ao lançamento oficial) – a concepção real da passagem de tempo tornou-se completamente descreditada. Acredita-se até que toda a divisão do Universo em segundos, minutos e horas, cai por terra para assumirmos uma percepção mais sutil – talvez não sutil, mas brutal – de realizações e não realizações pessoais individuais. Sendo assim, até a percepção de distância espacial, entre eu e você, entre corpos e, principalmente, planetas e supernovas, passa a ser lida, finalmente, a partir da perspectiva do sentimento do indivíduo quanto suas próprias realizações pessoais e/ou a probabilidade de realizá-las. Somos capazes de entender, enfim, o surgimento dos buracos negros.”

MELANCOLIA
Por Eduardo Muylaert (Lévi-Strauss ficaria orgulhoso)

“Uma das questões mais importantes e ao mesmo tempo mais difíceis é a que diz respeito certas tribos que, num dado momento de sua história, não se sentem motivadas a dar continuidade aos rituais e usos herdados de seus ancestrais; homens e mulheres permanecem nas redes o dia todo, sem falar, com a sensação de que nada mais na vida vale a pena.”

DESESPERO
Por Lidia Izecson

“Aula de Matemática:  Regra de três 60 está para 25 assim como X está para as 18 facadas que ela deu no marido enquanto ele dormia na cama ao lado da jovem amante.”

ÓDIO
Por Elidia Novaes

ÓDIO ó.dio s.m. (lat odiu1 Vontade de ter um fecho éclair no centro do osso esterno que permitisse arrancar o próprio coração, rachá-lo em dois, pisotear os átrios e comer os ventrículos. 2 Vontade de ter um fecho éclair no centro do osso esterno de outrem… 3 Grito que às vezes se grita”

TRISTEZA
Por Eva Maria Lazar

“O que queremos despertar no consumidor é aquela sensação de que sem este produto ele fica… fica… com alguma coisa faltando, como se ele percebesse a importância que tem na vida dele e nunca tinha dado conta antes. Assim, por exemplo, sem o produto as coisas perdem o brilho e ele vai querer olhar em volta para ver quem tem; quem não tiver vai ficar na mesmice, naquele cotidiano sem graça, como se estivesse se afogando, sem nunca mais se encontrar, nunca mais sentir alegria, entendeu? Uma vez com a consciência desperta, ele passa a precisar muito, senão bate fundo aquele negócio lá…”

COMPAIXÃO
Por Alcino Bastos

“Se quiser, anote. A receita requer a decima parte da razão, a raiva multiplicada por zero vezes zero e o coração elevado à milésima potencia.”

SAUDADE
Por Elza Tamas

“Tudo nasce do escuro e no vácuo. É no vazio que moram as possiblidades, ele tentou me explicar. Não entendi. Agora que ele se foi, sei que estava errado. Meu vazio é só vazio: um ovo sem gema, nem clara.”

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

w

Connecting to %s